Arquivo do mês: dezembro 2010

Feliz 2011, com Walt Whitman e Martha Medeiros

Talvez  seja arbitrária essa definição de uma data universal para encerrar e começar ciclos (afinal, estes deveriam ter sua cronologia pessoal), mas a vantagem é que, com esta imposição do calendário, temos a chance de celebrar a idéia do novo simultaneamente uns com … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Outras | Marcado com , | 5 Comentários

Boa noite

Boa noite, muito prazer. Mas hoje, o que eu queria mesmo era ouvir de ti algum segredo ingênuo, alguma coisa enterrada meio de brincadeira no quintal de tuas lembranças: o nome do menino por quem foste apaixonada no primeiro grau; … Continuar lendo

Publicado em Poemas, contos e crônicas | 6 Comentários

Entrelinhas

(…ele está vindo mesmo…) – Oi, tudo bom? – Oi, tudo. (hmmm… o nariz é muito grande assim de perto, já estragou tudo…). – Te vi lá de cima, sabia? – Ah, é…? (viu primeiro a loira ali da esquerda, … Continuar lendo

Publicado em Poemas, contos e crônicas | 2 Comentários

Sobre homens idiotas, mulheres e Machado de Assis

Conversa vai, conversa vem, e as mulheres quase sempre acabam se queixando de que a maioria dos homens é composta por idiotas. Algumas mulheres vão ainda mais longe, em uma generalização genocida: todos os homens são idiotas. Vou ousar corrigir estes … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , , | Deixe um comentário

Cristina

      Cristina não queria adormecer. Lutava com as pálpebras pesadas, com o pulsar amiudado de seu sangue, com o mantra hipnotizante que era a respiração dele, profunda e compassada, em seu pescoço.     Não queria adormecer. Se o fizesse, … Continuar lendo

Publicado em Poemas, contos e crônicas | 1 Comentário

Alquimia

      Conheci mulheres com beijos de TERRA. Eram beijos mansos e enlevantes, de certezas e pontualidades. Tais mulheres tem olhos bem abertos e inquisidores. Suas pernas são poderosas, envolventes e inquietas; mas seus braços se submetem e seus lábios se dissolvem. Amam de modo firme, cadenciado … Continuar lendo

Publicado em Poemas, contos e crônicas | Marcado com , | 6 Comentários

Uma porta

       Certa vez, houve uma porta.    Se eu abrisse aquela porta,  seria um visitante inesperado em sua sala. Talvez ela não estranhasse minha presença inopinada, já era um hábito em nossas tardes… mas, ao contrário de outras vezes, eu não tinha nenhum pretexto, nenhuma daquelas banalidades … Continuar lendo

Publicado em Poemas, contos e crônicas | 3 Comentários