Saudade é ausência…

O cotidiano de qualquer cidade está repleto de despedidas; celebradas com abraços, com beijos, com acenos ou apenas com palavras. Casais se despedem, amigos dizem até breve, mães deixam os filhos nas escolas com um beijo… nos separamos uns dos outros todos os dias, por algumas horas ou por toda uma vida. Levando em conta que o Homo sapiens é um animal gregário, é de se refletir que nem sempre foi assim. Nossos ancestrais pré-históricos, por exemplo: mesmo que os homens se afastassem um pouco da aldeia para caçar, os rituais da vida eram quase todos celebrados em uma grande e coletiva proximidade, até mesmo promíscua.

Talvez por isso, com a civilização, tenha surgido a melancolia da ausência do outro que em português chama-se “saudade”. Não somos biologicamente preparados para a distância física daqueles que queremos bem.

Ou talvez ainda pior: somos uma espécie que, ao contrário de todas as outras do planeta, tem consciência da certeza da morte, de uma vida limitada e das angústias que ela encerra – esse conhecimento, essa percepção das asperezas do caminho, torna mais insuportável a ausência de quem nos faz bem, de quem nos traz momentos felizes.

É possível sentir saudade de momentos, de lugares, até de determinados estados de espírito- mas, como bem denominam os italianos, este sentimento é melhor chamado de “nostalgia”. Saudade, esta saudade da língua portuguesa, é a saudade do outro. Saudade é ausência, é desencontro: querer no próprio corpo o outro corpo – saudade é uma vírgula inconsciente que pontua de passado a dor presente.

A saudade é um sentimento complexo, que quase sempre implica em desejo, o desejo do outro. Se a saudade traz tristeza, também traz consigo a certeza de que ela dissolver-se-ia com a presença de quem se sente falta. Por isso, doce é a saudade quando a possibilidade do reencontro é iminente – esta é uma saudade com um quê de condimento, de tempero: especiaria que queima mas agrada. A saudade de quem não se sabe se volta, ou quando volta, é a pior de todas: é a saudade de angústia, sentimento que flerta acintosamente com o desespero. Por fim, a saudade de quem se sabe não voltar mais é uma dor mal definida, quase serena em suas agulhadas, uma dor que permite um sorriso de boas lembranças entre lágrimas incontidas.

Então saudade, por sua onipresença, é um tema que será sempre familiar a todos. Um mundo de despedidas sempre será um mundo de saudades… saudade é um silêncio imperfeito, onde um eco persistente não se rende. É um desconforto que hipnotiza, que não sabe ou não tem vontade de sumir – porque saudade é suspensão, é uma fermata, é uma pausa. Na saudade dançam juntos a lembrança que foi e o desejo do que vai ser, sob o olhar impotente de uma platéia amordaçada.

Mas, como dizia Vinícius, “a vida é arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida”;  e Vinícius, tirando sarro desta quase-mal-amada das gentes, num repente escreveu:

“Vai, minha tristeza, e diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe, numa prece, que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade, a realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas, se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver assim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim”

Anúncios
Esse post foi publicado em Poemas, contos e crônicas. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Saudade é ausência…

  1. Greize disse:

    Que lindo texto, Saudades..tenho demais às vezes me sufoca, ninguém em avisou que doia tanto , que vem em ondas como “agulhas” bem descrito mesmo.A pior saudade é daquela pessoa que partiu desse mundo..hoje meu coração acordou com ondas de saudades…Abraços.

  2. Greize disse:

    Que lindo texto, Saudades..tenho demais às vezes me sufoca, ninguém em avisou que dói tanto , que vem em ondas como “agulhas” bem descrito mesmo.A pior saudade é daquela pessoa que partiu desse mundo..hoje meu coração acordou com ondas de saudades…Abraços.

  3. Julia Raulino disse:

    Só Vinícius poderia eternizar a Saudade de forma tão doce… Salve, salve o poeta carioca de todos os brasileiros.

    “Senão é como amar uma mulher só linda
    E daí? Uma mulher tem que ter
    Qualquer coisa além de beleza
    Qualquer coisa de triste
    Qualquer coisa que chora
    Qualquer coisa que sente saudade
    Um molejo de amor machucado
    Uma beleza que vem da tristeza
    De se saber mulher
    Feita apenas para amar
    Para sofrer pelo seu amor
    E pra ser só perdão”

  4. Laury Maia disse:

    Profundo, me faz lembrar de coisas que se foi e refletir nos bons momentos perto de pessoas especiais. É muito bomretornara realidade permanencendo nas lembraças passadas!

  5. jusseli maria rocha disse:

    Nostalgia…algia (dor,sofrimento) do ‘nostos’ (desejo de retorno, de voltar à pátria) é o sentimento que permeia toda a poesia Odisseia, Homero. A saga da volta a Ítaca de Odisseu (Ulisses). Amo a Grécia e suas múltiplas facetas, sua mitologia. Obrigada pela postagem. Jusseli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s