Ela dorme…

    Ela dorme.

    Ela dorme, ausente como a chuva que manteve a própria noite numa tensão morna de espera. E agora sua nudez é tão pequena, tão terna e inocente a escapar entre os lencóis, que não é mais aquela oferta lasciva e exuberante, a nudez impositiva mais tátil que visível, a nudez roubada e consumida entre os dentes, com a alma feita em pernas e recessos.

    Ela dorme tão indiferente, tão desprotegida e devassada que me encanta. E eu afasto seu cabelo com ternura, sem a urgência elétrica e sensual com que minhas mãos passearam por seu corpo, cima a baixo, pianoforte e stacatto até a saciedade, há poucas horas. Porque agora quero ver-lhe o rosto, maravilhar-me a compreender que neste rosto existe o cais que procurei em outras noites vida afora; descobrir que minha boca ontem fervente dos mistérios de sua pele urge agora por um beijo delicado em suas pálpebras.

    Ela dorme e eu não durmo, de serena e retumbante inquietude. Há mais nesse seu sono do que havia nos seus beijos, nos arquejos e na caligrafia incompreensível de suas unhas em meus ombros. De algum modo, nesses cílios mansos que ora selam as faíscas cor de cobre do olhar denso e felino há mais do que havia no compasso incontestável dos quadris. Há mais nesse trejeito juvenil de envolver o travesseiro do que havia na língua em brasa derramada ouvido adentro. 

    A chuva enfim explode junto ao vidro, são cristais que se entrechocam, e sinto medo que ela acorde. De todas as eternidades perdidas nesta noite, essa nova e surpreendente há de ser a mais dilacerante. Sei que desejarei o reecontro do calor e a firmeza de suas coxas, mas também desse monólogo fluente em sua respiração e do ondular intermitente e incessante de seus seios. Ela deixará mais do que o rastro de um encontro, mais que átomos dispersos desse cálido universo que criamos e findamos noite afora.

    Ela dorme sobre a cama… e dorme aqui dentro de mim.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poemas, contos e crônicas. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Ela dorme…

  1. Cris Animal disse:

    ê ê ê !!!

    Textos assim não cabem comentários. Pelo menos, não os sei comentar.
    Posso apenas dizer que quando li, por aqui, tudo ficou com cor de ternura e amor.

    Certeza, quando “ela” acordar vai jurar para você que sonhou com anjos!

    Beijo, Arlei !

  2. Belas palavras..seus textos me encantam! Parabéns pelo blog.

    Beijos

  3. arleiro disse:

    Cris, Anna…
    Obrigado! Vocês não sabem como é bom saber que se pode trazer algo de bom aos outros, em especial fazendo algo que é bom e necessário para si próprio (por estas e outras coisas a minha profissão vai perdendo a cor com o passar dos anos).
    Abração!

  4. Kelly disse:

    Oi Arlei!
    Adorei a contemplação! Me fez lembrar de e. e. cummings e Bernhard Schlink.
    Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s